Letícia Yabiku

Pai ou amiguinho?

Pai ou amiguinho?
Por Fábio Henrique Prado de Toledo – Juiz de Direito em Campinas
edo@apamagis.com.br
Correio Popular – 30/11/2009

Recentemente, uma reportagem divulgou o hábito de pais e filhos fumarem maconha juntos. Afora a aberração que é o uso de entorpecente em si, isso revela uma tendência dos pais.e das mães de nosso tempo de se colocarem no nível dos fllhos, portando-se como verdadeiros adolescentes, pensando que com isso conquistarão a confiança e a amizade deles. Mas será que os fllhos esperam isso dos pais?

Talvez nos ajude a responder a essa indagação se considerarmos como são nossas expectativas em relação a um profissional que nos presta um serviço. Quando procuramos um médico, por exemplo, almejamos dele algo que não temos, que é o conhecimento técnico necessário para a cura de urna doença. E a relação que se estabelece entre médico e paciente não é de absoluta Igualdade. Ao contrário, o médico possui autoridade para propor o tratamento adequado a que o paciente deve se submeter, ou procurar outro profissional, acaso não atinja um grau suficiente de confiança.

E algo de semelhante ocorre em outras profissões: advogado, engenheiro etc. Espera-se que tenha um conhecimento de seu ofício capaz de desempenhá-Io com eficiência e competência. E imagino que um cliente não teria suficiente confiança num advogado que o atendesse em seu escritório com uma camiseta surrada, jeans rasgado, tênis sujo, mascando chiclete e se expressando por meio de gírias vulgares.

Ser pai e ser mãe é muito mais/que uma profissão, mas os filhos têm direito a que essa missão seja exercida com muito mais profissionalismo, eficiência competência que qualquer ofício.

Nossos filhos têm direito a ter um pai e uma mãe de verdade, que se ocupem da educação deles. Não precisam de mais um amiguinho ou uma amiguinha. Pais que saibam exercer a autoridade no momento e na medida certa. Que respeitem a liberdade e a intimidade dos filhos.Que não sejam autoritários nem que vivam impondo restrições aos filhos apenas na medida em que violem a comodidade e o sossegodos pais. Mas que, sobretudo, sejam fortes o suficiente para dizer não, quando o bem deles o exigir e, mais ainda, que sejam valentes para sustentar suas decisões bem pensadas até o final.

Isso não quer dizer que os pais não possam ser amigos dos filhos, no sentido de que eles se sintam à vontade para Ihes abrir a intimidade, revelando seus sonhos e frustrações. Seria muito bom que o pai e a mãe conseguissem contar com a total confiança dos filhos.No entanto,essa amizade há de se estabelecer sem que o pai deixe de ser pai, nem o filho de ser genuinamente filho.

Não se trata, também, de restabelecer uma relação autoritária entre pais e filhos. O pai e a mãe sábios percebem que a melhor ordem é um simples “por favor”, dito com tal delicadeza e com elegante firmeza que se fazem obedecer. E conseguem esse resultado porque o fazem por amor, não por vaidade, comodismo ou qualquer outro motivo que não o verdadeiro bem dos fllhos.

Penso que o melhor exemplo de como deve ser a relação entre pais e fllhos seja a de um guia que nos conduz numa escalada por caminhos tortuosos e desconhecidos. O guia será aquele que já percorreu o caminho muitas vezes. Portanto, sabe quais são os perigos, o momento de avançar e de retroceder, o de ousar e o de se precaver. E se for um bom guia, estará sempre atento aos passos de quem conduz. Essa é a missão dos pais. Sabem respeitar a liberdade dos fllhos e, por conseqüência, deixar que caminhem com os próprios pés. Porém, sabem também que têm a missão de guiá-los nos caminhos dessa vida até que sejam suficientemente maduros e, portanto, que saibam guiar a si próprios. Mais ainda, que um dia sejam eles também pais e mães a guiarem eficazmente seus filhos, nesse ininterrupto e maravilhoso ciclo da vida.

2 Respostas to "Pai ou amiguinho?"

Maravilhosa reportagem.
Parabénssssssss !!

MUITO INTRESSANTE ESTE ARTIGO.SOU RADIALISTA E PROCURO DAR MUITA ATENÇÃO PARA O ASSUNTO “FAMILIA”,PAIA E FILHOS.MARAVILHA!PARABÉNS!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Letícia Yabiku – Pesquisadora de Furoshiki

Casada com Luís Yabiku, mãe de dois filhos e uma contribuinte incondicional para um mundo melhor.

Calendário

agosto 2017
S T Q Q S S D
« mar    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

Anteriores

Acessos

  • 150,068 visualizações
%d blogueiros gostam disto: